quarta-feira, 12 de março de 2008

Cadeia de Tires - Ver para Crer - Parte 3


E sabe bem ficar confuso. No dia de ir ao médico, o pobre homem vê-se ás aranhas sem quase nada para receitar, e quando consegue prescrever, desviam-lhe as voltas e os comprimidos, os mesmos para quase tudo, que ainda chegam tarde e trocados.
Melhor sorte tem o protésico que tendo consultório em Setúbal, cobra as próteses na totalidade muito antes de as entregar ás legitimas donas, que as pagam do seu bolso, não tendo o cuidado de cobrar o IVA; Clara Manso Preto sabe mas faz vista grossa a esta subtracção de dever ao Estado. As suas necessidades mais urgentes ficaram pela colocação de ar condicionado no seu gabinete, que isto de trabalhar com calor não está com nada…
E o trabalho dentro da cadeia, mal remunerado ás reclusas, é destinado, exclusivamente, para quem está disposta a calar as misérias de Tires; quem refila, se insurge não tem direito a ocupar o tempo, mesmo sem ordenado á vista.
Denunciada a situação, no principio deste ano, foi a vez da cozinha de Tires ser visitada pela temida A.S.A.E., mas Clara Preto, que não é dada a surpresas, foi avisada com antecedência da inspecção que vinha a caminho; e foi um “corre-corre” inusitado, a “recrutar voluntárias” para limpar tachos e panelas, fogões e armários, arrancar a gordura há anos entranhada nas paredes.
Depois de limpo o que não mudou foi a comida. O menu da “geral” é por demais conhecido, e de cor, pelas reclusas de tau mau e sempre igual; até os cães que vivem por ali voltam o focinho, fartos que estão dos ossos de frango e peru, mais depressa dispostos a comer nem que fossem cascas de melão…
E antes que venham dizer que é uma campanha de inverdades e especulações, aqui fica um desafio:
Abram as portas da cadeia e deixem que livremente as reclusas se manifestem aos jornalistas que quiserem cruzar os seus portões para saber de que lado está a razão. Vai uma aposta em como não deixam ? É que ser mentirosa é uma coisa; deixar que se saiba que o é já outra conversa…
E agora Dr. António Costa, quem afinal, são os “bandidos” ?

11 comentários:

A suposta "mafiosa" disse...

Pois ...
Foi com algum espanto que li este blog ... pensei até " que boa ideia ... podia ter sido minha!"
Quando quiserem o depoimento de quem lá esteve e de quem sofreu na pele um pouco de tudo isto ... podem contactar - me, certamente que vai enriquecer em muito esta travessa de verdades!
Parabéns!

Anónimo disse...

um grande bem haja a kem teve esta abençoada ideias de denunciar a podridao k existe em tires mas existem mtas tires neste pais de corruptos k DEUS os abençoe e de mtos anos de vida para dar voz a kem as ker calar BEM HAJA e o linhò?onde os presos sao tortutados pelos senhores guardas prisionais

David Motta disse...

http://escarradordedavidmotta.blogspot.com/2008/04/os-esquemas-da-priso-de-tires.html

Anónimo disse...

Foi com grande pena que não tive o prazer de ver a continuação da saga de Tires. Houve momentos de comoção, mas,acreditem que não chorei,antes, senti um repúdio pelo que aqui tem sido escrito, porque ao não querer identificar-se é uma atitude cobarde. Acredito que a pessoa que é dona de tanta informação foi conivente com as pessoas que tenta denegrir. Vou dar-te uma classificação.ÉS infantil,deves ser uma pessoa ressabiada e talvez frustrada e com uma grande dose de inveja de quem queres denegrir porque todas as pesssoas visadas não se sentiram minimamente afectadas, antes pelo contrário toda a escrita tem um teor infantilizado de menino de primária

A Outra Face de Tires disse...

Para o anonimo que acusa o anonimato:
A identificação há de aparecer. Não se preocupe que em tempo serão divulgadas as informações que pretende.
Tem de comprender que o envio das cartas para publicação no blog necessitam de ser escritas e fazer chegar á mão de quem publica.
O seu insulto gratuito (e anonimo) deve servir-lhe de compressa para a sua personalidade, um pouco de "menino mimado".

Anónimo disse...

fogo pensei que fossem gente crescida... agora andar nas fofoquices e que nao. isto e o infantario? cresçam -.-'

Anónimo disse...

Achei esplêndida a ideia deste blogue e não me surpreende nada certas reacções (refiro-me a alguns comentários parvos, acima) pois são bem representativas de uma certa mentalidade ainda pouco habituadas á vida em democracia, e não merecem muita atenção.

Infelizmente, todos sabemos que a vida nas cadeias portuguesas é extremamente difícil e até desumana. E podia ser bem diferente se existisse vontade política de resolver esses problemas. Só que em Portugal os direitos humanos ainda continuam defendidos (quase) só no papel e continua-se a fechar os olhos a tudo e a mais alguma coisa. É claro que tudo começa com uma boa educação e isso é coisa que ainda não existe em Portugal e ainda vivemos num sistema tão primário que (quase) tudo continua por se fazer...

Será que estar fechado numa prisão é assim tão diferente de estar cá fora ? Talvez, cá fora a prisão seja maior, mas nem por isso menos opressiva e dolorosa!

Porque "O inferno são as pessoas"!

Anónimo disse...

Aguardo com alguma expectativa o desenrolar destas afirmações. São graves e não podem cair em saco roto, senão mais uma vez a culpa morrerá solteira.
Mais canais existem para se poder desencadear os mecanismos necessários a investigações sérias e com conclusões.
O respeito pelo medo nunca se conseguiu, para ser sérios, não basta parecê-lo é preciso sê-lo e isso é uma palavra que anda um pouco esquecida do vocabulário de algumas gentes que se dizem mui dignas.

Anónimo disse...

gostava de ver este blog mais desenvolvido hihihihi será que vai aquecer +?nao acredito

Anónimo disse...

As reclusas de Tires sugerem que o Sr. Dr. Juiz das Penas, Manuel Saraiva venha trabalhar só de manhâ, uma vez que a seguir às refeições está improprio para consumo...

Anónimo disse...

A senhora directora devia ter vergonha, coisa que deconhece, porquem secalhar bem vista a coisa ..ela e muitas das guardas é que deviam estar atraz das grades porque são perigosas e não pessoas normais que estão apenas a cumprir as suas penas e deveriam ter formação e sere -lhes administrada alguma culturaao invés de represálias.sras guardas usam da violenciae da má formação pessoal, quem as manda fazer estas coisas que eticamente não são correctas.